agata-arvore
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp

5 medos da projeção astral

Nesse artigo vamos refletir sobre os 5 medos da projeção astral e como eles são lendas e precisam ser desmitificados. 

A grande maioria das pessoas têm medo da viagem astral, mas por que se é algo natural do ser humano e que, inconscientemente, fazemos todas as noites?

Elas têm medo porque são séculos de tradições religiosas incutindo ideias negativas sobre a projeção, justamente para impedi-las de fazerem a viagem astral de forma lúcida.

Parece um detalhe sem importância, mas isso é fundamental, pois a partir do momento que projetamos conscientemente não precisamos mais de religião para nos dizer como a realidade espiritual é.

Não precisamos mais de intermediários pois podemos ver com nossos olhos e chegar as nossas próprias conclusões.

E essa autonomia é o oposto do que eles querem, porque isso tira o poder e o domínio das mãos deles.

Fazer a projeção astral é libertar-se, é escolher conscientemente o caminho a seguir, sem imposições e dogmas externos. Pois, com ela não precisamos mais de um intermediário que nos diga que o céu é assim, que o inferno é assado, que espírito é isso ou aquilo.

Simplesmente saímos de forma lúcida e conversamos com os espíritos, visitamos cidades astrais, conhecemos o umbral.

E essas experiências são nossas, ninguém nos tira esse conhecimento, por isso eles não querem que as pessoas projetem. Eles querem ser o intermediário de Deus, falar em nome de Deus e propagar os dogmas que mais os favorecem.

O que estou propondo é que vocês se libertem disso, que vejam a realidade com seus olhos e cheguem nas próprias conclusões. Então, a partir desse momento, não será mais uma teoria do mundo espiritual, será uma realidade.

Para isso, primeiro precisamos entender que esse medo foi criado e embutido em nossa mente e assim poderemos nos livrar dele.

Existem dois tipos de medo quando falamos de projeção astral, o psicológico e o físico.

Medos da Projeção Astral – Psicológico

O medo psicológico é criado pela sociedade em torno da projeção. Para superá-lo não é difícil, basta estudarmos e termos alguma compreensão do que significa esse jogo de poder e domínio sobre o mundo, que alguns tentam manter mesmo que custe distorcer e nos afastar da realidade.

Medos da Projeção Astral – Físico

O medo físico considero mais desafiador de superar. Por exemplo, quando acordamos no meio da noite em catalepsia projetiva, ou seja, acordamos e não conseguimos nos mexer, nesse momento o cérebro não entende o que está acontecendo, considera uma situação de risco e assim entramos em desespero.

Nesse medo, é disparado uma reação física, corporal, que uma vez iniciada é difícil de controlar. O mesmo acontece quando vemos vultos ou seres no quarto, o cérebro imediatamente entra em estado de alerta, joga adrenalina no sangue, o coração bate mais rápido e ficamos fisicamente com medo.

O segredo para não sentirmos mais medo é ensinar o corpo físico como a uma criança, por repetição ir mostrando que não corremos risco estando em catalepsia projetiva ou vendo uma entidade no quarto.

O que acontece com muitos alunos, por isso já alerto, é que ao fazer o curso que ministro, em aproximadamente uma ou duas semanas, em sua maioria, já tem algum tipo de experiência de projeção astral lúcida. Mas, nesse momento, vem um grande medo, um medo físico, uma sensação de não conseguir lidar com o desconhecido.

Mas as sensações da projeção são realmente novas para nosso cérebro e corpo e por serem novas podem exigir um tempo de adaptação.

Por isso, considero o trabalho inicial de projeção não exatamente vencer o medo, mas educar o cérebro. Mostrar a ele que essas novas sensações são normais, que a catalepsia projetiva é normal, que ver outros seres é normal.

Precisamos de paciência para ir educando nosso cérebro físico, mas tanto o medo psicológico quanto o físico podem ser superados através do estudo e da prática.

O estudo dá uma base racional de informações sobre a projeção, ajudando o cérebro a compreender os processos e na hora H, quando estiver vivenciando, ele vai ficar calmo porque vai assimilar que aquilo é normal e não um indício de perigo.

Garanto que quanto mais alimentamos nosso cérebro com informações de qualidade, menos mistificado e amedrontador tudo isso fica.

Para ajudar no estudo, além desse material, tenho um curso em vídeo sobre viagem astral. Recomendo também os professores Wagner Borges e Saulo Calderon que possuem canais no Youtube sobre projeção astral com muito conteúdo bom.

A prática, é como pular de paraquedas pela primeira vez, é uma adrenalina insana. Mas imagine um instrutor depois de duzentos saltos, ele sente a emoção mas certamente tem agora um nível muito maior de confiança, relaxamento e tranquilidade do que quando pulou pela primeira vez.

Nesse módulo, vamos abordar um a um os principais medos que nos impedem de projetar de forma lúcida.

O objetivo é desmistificar a projeção astral e permitir que nosso inconsciente entenda com clareza o processo.

Assim, pouco a pouco esses medos vão diminuindo até o momento que a nossa mente entende a projeção como algo natural e isso nos permite recordar as experiências astrais.

MEDO 1 – SE EU SAIR DO CORPO VOU VOLTAR?

Quando falamos de viagem astral, o primeiro medo que meus alunos manifestam, é o receio de sair do corpo e não voltar mais. Mas digo categoricamente que isso não existe, não há possibilidade de sairmos do corpo e não conseguirmos voltar. Isso só acontecerá uma vez, que é no momento de nossa morte física, mas ela não tem a ver com a projeção astral.

Quando o corpo físico morre, os cordões que ligam energeticamente o corpo e a consciência se rompem, aí realmente não há mais como voltar. Mas tirando essa única situação, toda vez que saímos do corpo, voltamos. Isso porque os laços energéticos que ligam o corpo físico à consciência são únicos, como uma impressão digital e apenas a consciência tem a impressão digital exata do corpo físico.

Quando projetamos, na maioria das vezes, ficamos flutuando sobre o corpo, presos em seu campo magnético e outras vezes temos experiências multidimensionais de forma consciente. Mas quer estejamos flutuando acima do corpo ou tendo experiências dimensionais, chegará o momento em que o corpo chamará de volta a consciência e não há como ela negar esse chamado.

Mais à frente veremos quais são esses momentos em que a consciência é atraída de volta para o corpo físico, o que precisa ficar claro agora é que invariavelmente voltaremos. Além disso, já sabemos que projetamos todas as noites, só não temos consciência disso e não é passar a ter consciência que tornará o processo mais perigoso, muito pelo contrário.

Então, repito, não existe a possibilidade de sairmos do corpo físico e não voltarmos, isso é um mito e nosso cérebro precisa se liberar disso. Toda vez que saímos do corpo, voltamos. A única exceção é a morte física, mas o seu acontecimento não está relacionado com nossa capacidade projetiva ou consciencial.

MEDO 2 – MEU CORDÃO DE PRATA VAI SE ROMPER?

Considero esse o segundo medo mais comum quando falamos de projeção astral. Ele vem de uma lenda muito antiga que diz que quando projetamos o cordão de prata pode se romper. O chamado cordão de prata é um laço energético entre o corpo físico e a consciência, como um canal de energia.

Esse laço energético se mantém mesmo em outras dimensões, pois ele é como um código, um sinal de wi-fi que mantém corpo e a consciência conectados. Pense nele como algo criado pela tecnologia divina, pelos engenheiros do universo ou pelo próprio Criador se quiser, e isso significa dizer que ele não pode ser rompido.

Talvez conheça histórias antigas que dizem que os negativos partem o cordão quando projetamos, mas não existe essa possibilidade, isso é lenda, nunca aconteceu de ninguém romper esse laço energético. O único momento em que isso acontece é na morte do corpo físico e fora esse momento, que não está relacionado à projeção, ninguém tem a capacidade de romper o cordão de prata.

Imagine que quando a consciência não está projetada, ou seja, durante o dia quando estamos acordados, o corpo físico e a consciência são uma só energia. Mas quando projetamos, e fazemos isso naturalmente todas as noites, metade dessa energia fica no corpo físico para mantê-lo vivo e a outra metade carregamos em nossa consciência.

Então, quando o corpo e a consciência se separam, é criado um cordão ligando essas duas fontes de energia e essa conexão não pode ser rompida. Através dessa conexão energética que a consciência continua emitindo informações para o corpo físico quando está projetada.

Portanto, trata-se de um mito a ideia de que o cordão de prata pode se romper durante a projeção astral. Pense, se isso representasse realmente um risco teríamos muitas mortes relacionadas ao sono no mundo inteiro, visto que todos projetamos todas as noites.

Curso de Projeção Astral

MEDO 3 – OUTRO SER VAI POSSUIR MEU CORPO?

Uma pergunta que sempre escuto é se é possível outro ser tomar nosso corpo quando projetamos. E a resposta é não. Essa dúvida surge porque muitas pessoas acreditam que possa ocorrer o mesmo que em processos de incorporação, mas não é assim que funciona, porque na incorporação o médium está dando permissão para a entidade usar seu corpo físico.

Um outro ser se apossar do corpo contra a vontade durante a projeção é algo realmente muito raro. Pode acontecer em casos de obsessão extrema, em que a pessoa já vem manifestando esse desequilíbrio espiritual. Mas é algo realmente raro e aí a possessão do corpo não é por decorrência da projeção, mas por toda essa série de alterações que já estão ocorrendo.

Como vimos, o corpo e a consciência possuem uma ligação única, como uma digital ou um DNA energético, por isso o encaixe consciência e corpo físico é específico, não podemos encaixar no corpo físico de outra pessoa, nem outra pessoa no nosso. Imagine algo como um código energético, se o corpo for o código 139157, somente a consciência 139157 poderá se ligar a ele.

Apenas essa consciência e esse corpo vão conseguir ter uma interação, fora isso ninguém interage com o corpo físico, a não ser em processos mediúnicos em que se dá permissão para que outra entidade utilize o corpo ou em um processo de obsessão muito profundo. Porém, ambas exceções não tem relação com a projeção.

Dito isso, precisa ficar claro que todas as dificuldade que tivermos quando projetados, tudo que vermos de obsessores e de negativo é porque já está acontecendo no corpo físico. Não é a projeção que traz isso, já está acontecendo, a questão é que quando saímos do corpo tomamos consciência desses desafios.

Ao projetarmos conscientemente trazemos à razão um processo que já estava em andamento. Mais à frente vamos retornar esse tópico, ok? Mas por agora, apenas reforço que outro ser não vai tomar nosso corpo físico enquanto estivermos em projeção astral, podemos ficar tranquilos.

MEDO 4 – VOU VER ESPÍRITOS?

Outro medo comum na hora da projeção é o receio de ver fantasma. E sim, vamos ver fantasma, vou deixar isso bem claro. Mas aí cabe uma reflexão sobre o que é um fantasma. Já conversamos que estamos na dimensão física e existem outras dimensões paralelas a essa, sendo que a quarta dimensão é a mais próxima da dimensão física em que estamos.

Nesse momento, aqui comigo, aí com você e em todos os lugares, já existem vários seres dimensionais, aliás, há muito mais seres desencarnados que encarnados na Terra, a única questão é que não os vemos. Isso porque nossos olhos físicos foram projetados para ver a realidade física, então com a exceção de alguns médiuns que veem os seres da quarta dimensão, nós não vamos vê-los.

Mas que fique muito claro, não é porque não estamos vendo que eles não existem, não é porque não vemos as bactérias, que elas não estão na nossa pele, não é porque não vemos os ácaros, que eles não estão no nosso travesseiro. Já passou da hora de nos livrarmos do paradigma do só acredito vendo.

No processo de projeção nos deslocamos para outra dimensão, fazendo isso ganhamos um corpo específico para atuar nela. Então, se vamos para a quarta dimensão ganhamos um corpo e olhos de quarta dimensão e esses olhos têm a capacidade de ver essa dimensão. Quando isso ocorre nós passamos a ver o que já existia ali mas não víamos antes com nossos olhos de terceira dimensão.

Não é a projeção que atrai fantasmas ou que traz espíritos para nossa casa, eles já estavam lá, mas projetando acessamos a dimensão deles e desse modo, conseguimos enxergar, interagir e conversar com eles. De certo modo, todos estamos sofrendo ataques de obsessores, só não vemos e não conseguimos interagir com eles.

Esses ataques nos afetam de diversas formas negativamente. Mas é mais fácil nos defendermos e resolver a questão indo para a dimensão desse ser, conversando com ele e vendo o que ele está fazendo. Sabendo disso agora, você prefere tentar resolver um possível problema ou enfiar a cabeça embaixo do travesseiro para fingir que ele não existe?

Porque a questão é essa, esse medo de ver fantasmas é enfiar a cabeça embaixo do travesseiro e achar que tudo vai desaparecer se não estivermos olhando. Mas não é o fato de colocarmos a coberta na cara que faz tudo desaparecer, os seres vão continuar lá, na nossa casa, no nosso local de trabalho, nos assediando.

Quando nos projetamos conseguimos resolver muito mais fácil esse tipo de problema, pois tendo consciência fora do corpo podemos interagir com esse ser e conversar com ele. Dizer, meu amigo por que você está fazendo isso? O que eu te fiz em outras vidas? O que eu te fiz nessa vida? Acredite, às vezes a solução está em uma simples conversa.

A consciência de outras dimensões nos dá uma capacidade muito maior de defesa de ataques energéticos e a maioria de nós segue perdendo essa oportunidade por medo. Mas a verdade é que cedo ou tarde, quando desencarnarmos, vamos ter que entrar em contato com essa realidade e aí não vamos ter escolha, não vai importar se estamos prontos ou não.

Os monges tibetanos sabiamente aconselham a nos prepararmos em vida para a morte. E o que isso quer dizer? Que agora temos a oportunidade de irmos aos poucos entrando em contato com essa realidade que é para onde vamos, podemos nos habituar no nosso ritmo, para quando chegar o momento da passagem final, isso ser algo comum.

Isso vai tornar o processo de desencarne e de aceitação muito mais fáceis e menos traumáticos, do que se fingirmos a vida inteira que nada disso existe. Não é incomum pessoas que no momento do desencarne tomam um grande susto, ficam perdidas e não sabem como agir.

Então, quando nos projetamos vemos espíritos? Sim, mas é melhor que seja agora com calma e de forma controlada. Vamos pensar que se sairmos na rua vamos ver seres humanos, se formos para outra dimensão, vamos ver os seres que estão nessa dimensão, isso é lógico e completamente normal.

O espírito é um ser igual a nós, igualzinho, ele só não tem um corpo físico, mas é uma pessoa como eu e você, inclusive esse é o nosso destino certo, um dia também deixaremos de ter o corpo físico. Não existe essa coisa de fantasma, quando desencarnarmos vamos querer ser visto como um?

Se o conceito de fantasma é alguém que fica atormentando, que assusta as pessoas, que causa medo, então tem muita gente encarnada que poderia ser chamada de fantasma. Não é porque não se tem mais um corpo físico que se deixa de ser consciente, que se deixa de ser uma pessoa.

Até agora citei apenas os seres negativos, mas existem os seres de luz. Através da projeção podemos aprender com nosso mentor e conhecer diversos locais astrais interessantes. Então, não projetar por medo de ver espíritos é renunciar a muita experiência positiva, de muito aprendizado, por isso, reforço que ver seres dimensionais é normal.

Claro, ver esses seres exige uma adaptação ao nosso cérebro, em um primeiro momento é normal ficarmos muito assustados e voltarmos para o corpo físico, mas nas próximas vezes o susto vai ser menor, até chegar o momento em que estamos habituados com essa realidade. Eventualmente algo até pode nos assustar, mas o medo não será como no início, pois agora sabemos o que esperar.

MEDO 5 – POSSO ME PERDER NA VIAGEM ASTRAL?

O último medo mais comum é se perder no mundo astral. Como devem imaginar, esse medo não tem fundamento. Lembra que existe uma conexão energética entre o corpo físico e o corpo astral? Logo, podemos estar em qualquer local no mundo astral, quando chegar o momento de voltarmos para o corpo físico imediatamente seremos sugados por ele.

Não é incomum acordarmos com a sensação de estarmos caindo ou de uma atração inevitável, às vezes até sentimos como se nosso corpo estivesse se encaixando nesse momento, talvez até já tenham passado por isso. Essas sensações ocorrem quando o corpo físico puxa o corpo astral e isso independente se estávamos longe dele ou não.

A noção de tempo e espaço é muito diferente entre a terceira e a quarta dimensão. Aqui, se queremos ir ao parque vamos ter que nos deslocar, seja caminhando ou de carro, do ponto A até o ponto B. Já na quarta dimensão e acima, em que os átomos vibram mais rápido, não temos que percorrer esse caminho, podemos estar no ponto A e aparecer no ponto B.

Quando o trajeto é feito, pode ser que seja em uma velocidade tão alta que nossa mente, mesmo a mente astral, não é capaz de compreender. Então, mesmo que estejamos no local mais longínquo do astral, no momento de voltar para o corpo físico, vamos imediatamente retornar. O corpo astral é sugado para o corpo físico e por isso, não existe a possibilidade nos perdermos.

Espero que esse módulo tenha esclarecido os principais medos em relação à projeção astral e porque eles são infundados. Esse processo é fundamental para que o cérebro não identifique a projeção como algo que nos coloca em risco, dificultando muito a projeção consciente. Precisa estar claro em nossa mente que esses medos são criados, pela sociedade ou por nós mesmos, e portanto, irreais.

Copyright do texto © 2021 Tibério Z

Todos os direitos reservados. Nenhuma parte deste artigo pode ser reproduzida ou usada de qualquer forma ou por qualquer meio, eletrônico ou mecânico, inclusive fotocópias, gravações ou sistema de armazenamento em banco de dados, sem permissão por escrito, exceto nos casos de trechos curtos citados em resenhas críticas ou artigos de revistas.

ISBN nº 978-65-00-23711-5

Quer receber conteúdos exclusivos?

Preencha seu e-mail abaixo e receba artigos, e-books, datas de lives, novos cursos e muito mais: