O que é karma
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp

Karma e Dharma são termos ainda não compreendidos pelo ocidente e nesse artigo vamos refletir sobre esses dois elementos da existência.

Quando o assunto é karma, há muito desentendimento sobre o seu real significado. A maioria das pessoas realmente não sabe o que é karma e acabam dando ao termo uma ideia de punição divina.

Mesmo no oriente, em cada religião a uma definição diferente para karma e nesse artigo vou tentar ser o mais simples possível na sua explicação.

Antes de entendemos o que é Karma devemos tirar da mente uma ideia que nos foi imposta e que definitivamente está muito longe da verdade: Karma não é punição.

Se admitirmos que Karma é punição então devemos admitir que Deus é um juiz que pune suas criaturas.

Mas se ele criou as criaturas sem uma consciência plena da verdade e sabendo que as criaturas errariam ele punindo estaria sendo sádico.

E se formos até o fim na ideia de castigo, estamos subjugados a um Deus sádico que fica sentando em seu trono punindo todos os seres.

Essa é sua ideia de Deus? Um Deus cruel e sádico?

Mas, se ele não é um Deus sádico, se ele é um Deus de amor, de paz, de alegria porque então os seres sofrem o efeito do Karma? E ai novamente estamos ligando o Karma com algo negativo.

Karma é neutro, não é positivo nem negativo.

Como aprendemos tudo que aprendemos nas nossas vidas? Testando e errando.

Voltando para nossa infância, como aprendemos andar? Caindo muitas vezes.

Caímos, nos machucamos, choramos, mas, cada vez que caímos aprendemos algo diferente sobre andar até que um dia, com todos músculos na perna firme, com o cérebro treinado, andamos.

Agora amplie essa definição para 10 vidas, 20 vidas, 30 vidas, infinitas vidas.

Vamos cair, vamos chorar, mas vamos aprender.

curso expansão da consciência

O que é Karma

Vou tentar explicar como eu cheguei na explicação pessoal do Karma.

Eu era um jovem, vamos dizer, muito arrogante. Acreditava que era o dono do mundo, que podia fazer o que queria e o resto que se danasse.

Simplesmente não me importava com as consequências. Acreditava que o futuro era meu, como quase todos os jovens.

A vida foi passando e foi me ensinando que cada ação que eu realizava, cada atitude que eu tinha, tinha uma consequência, mesmo que eu não gostasse da ideia.

Então, lá por meus 20 e poucos anos, comecei a observar que quando eu fazia uma ação que ajudava o próximo ou que contribuía com o mundo, eu me sentia bem.

Mas também, cada ato egoísta, cada ação que prejudicava algo ou alguém, no fundo eu me sentia mal.

Foi desse modo que entendi que, independente do espiritual, tudo o que fazemos repercute alguma consequência para nós.

Em algum momento, todos vamos entender isso e a partir daí temos duas opções. Colaboramos com nós mesmos, com os outros e com o universo e nos sentimos bem ou não colaboramos com os outros, com o universo e nem com nós mesmos e nos sentimos cada vez piores.

Sei que externamente há muitas pessoas que prejudicam muito outras pessoas e que elas parecem bem, mas, na verdade, elas podem até estar momentaneamente bem materialmente, porém por dentro estão criando uma angústia que só aumentará.

Isso ocorre porque todos nós temos consciência. E ela nos avisa quando fazemos algo a favor ou contra o universo. E ela segue nos alertando, por mais que tentemos ignorá-la.

A consciência é responsável pela sensação de bem-estar toda vez que fazemos algo bom e também pelo incômodo toda vez que prejudicamos alguém.

E por que existe essa consciência?

Ela é como se fosse o nosso freio, nosso limite. Acontece que as pessoas vão acumulando energias negativas, de repetidos atos negativos, por muito tempo e uma hora essa consciência está esmagadora dentro delas.

Então, em algum momento, esse desequilíbrio gerado por nossas ações começa a gerar doenças e transtornos mentais.

A consciência é um alerta que o universo coloca dentro de nós para sabermos se estamos indo por um caminho a favor do Dharma ou contra o Dharma.

Dharma

Dharma é a lei universal, o fluxo natural das coisas, o motivo por tudo ter sido criado.

Mas quem criou tudo? Deus.

Se Deus é amor, paz, alegria e tudo de bom que podemos imaginar e se tudo é feito da energia divina, logo o Dharma é o amor, a união, a paz, a felicidade, a abundância e tudo mais o que podemos imaginar de positivo.

Quando fazemos algo para prejudicar alguém estamos indo contra o Dharma, quando fazemos algo contra a felicidade estamos indo contra o Dharma, quando fazemos algo que não seja pela paz estamos indo contra o Dharma.

Não existe bom e ruim, existe estar a favor do fluxo do Dharma ou contra o fluxo do Dharma. Quando seguimos o caminho do Dharma temos um tipo de sensação. Quando não seguimos o caminho do Dharma temos outro tipo de sensação.

Isso não quer dizer bom ou ruim moralmente. Isso quer dizer sensações distintas.

O Dharma se manifesta em tudo nas nossas vidas, se amamos nosso trabalho ele nos nutre, nos traz paz, nos traz amor. Se não amamos nosso trabalho ele nos traz sofrimento, tristeza e aborrecimento.

As sensações positivas e negativas são apenas sinalizadores se estamos indo contra ou favor do Dharma.

Então, toda vez que fazemos algo para ajudar o próximo, para ajudar a humanidade, estamos indo por um caminho de luz, desse modo, liberamos endorfina, dopamina e outros neurotransmissores que nos dão uma sensação de prazer e pertencimento.

E toda vez que vamos por um caminho de egoísmo, de prejudicar os outros, baixamos os níveis desses neurotransmissores. Isso nos traz uma sensação de apatia, tristeza, individualismo excessivo e até mesmo depressão.

Mas veja bem, isso é uma escolha. Podemos escolher se vamos ir a favor ou contra o Dharma, esse é o nosso verdadeiro livre arbítrio.

A questão é que cada caminho traz as suas consequências.

Indo por um caminho de luz, temos felicidade. Indo por um caminho de trevas, temos a tristeza profunda.

Karma tudo que você planta você colhe.

Vimos a atuação do karma em nossa vida física. Vamos agora expandir e ver o que é karma no mundo espiritual?

Vamos imaginar que cada pessoa desse mundo pudesse fazer o que quisesse. Pode matar, pode roubar, pode se apoderar do que é dos outros sem nenhuma consequência. Liberdade total.

Onde o universo chegaria? Chegaria no caos absoluto.

Por isso, Deus, o Divino, a Unidade, o Vácuo Quântico, como quisermos chamá-lo, criou regras, o Dharma.

E uma das principais regras do Dharma é que cada um colhe aquilo que planta. Essa é uma regra universal.

Então, seja na Terra, em outros planetas, em outras dimensões, onde quer que seja, cada um colherá o que plantou, aquilo que você faz volta a você.

Desse modo, começa a ficar claro que o karma não é um castigo, é um meio de nos ensinar, uma oportunidade benevolente para expandirmos. Por quê?

Não existe morte, ninguém morre. Só existem sucessivas vidas. Perdemos um corpo, ganhamos outro. Isso, milhares e milhares de vezes.

Esse é o mecanismo que nos permite expandir nossa consciência, pois quando fomos gerados da Fonte, tínhamos uma consciência ínfima.

Então, como fazer para que esse ser de consciência limitada realmente expanda vida após vida?

Fazendo ele entender que cada ação dele tem uma consequência. E quem faz isso automaticamente? A Lei do Karma.

Por exemplo, eu bato em alguém, então alguém vem e me bate. Quando bati no outro eu não senti a dor dele, mas quando alguém me bateu eu senti a dor. Agora eu já sei que apanhar dói.

Foi um castigo de Deus que alguém me bateu? Não. Foi um meio Dele me ensinar.

“Olha, você bateu em alguém, quem sabe passando pela mesma experiência você entenda o quanto dói”.

Esse processo leva muitas e muitas vidas, porque nos recusamos a aceitar que somos responsáveis pelo que nos acontece. Insistimos no papel de vítima.

Mas quando finalmente começamos a entender que dói no outro tanto quanto dói em nós e que essa dor retornará para nós mesmos de algum modo, começamos a abdicar desses atos que prejudicam, que destroem. A partir daí começamos a criar a comunidade, a ordem, a seguir o caminho do Dharma.

Na ordem, um ajuda o outro. No caos, um prejudica o outro.

Por isso, o karma é uma lei de aprendizado e ordem.

E o que é Karma positivo? Ele existe?

Particularmente acho que essa expressão “karma positivo” induz ao erro de pensarmos que existe um karma negativo, que é algo ruim, portanto, um castigo. E já vimos que ele não é.

Existe apenas uma lei de Karma, tudo que você dá você recebe, sem julgamentos, sem bem ou mau, sem positivo ou negativo.

Você dá amor, recebe amor, você dá ódio, recebe ódio, você dá felicidade, recebe felicidade.

Positivo e negativo são interpretações humanas de acordo com o que cada sensação causa.

Karma é único, uma lei universal, imutável.

Copyright do texto © 2021 Tibério Z

Todos os direitos reservados. Nenhuma parte deste artigo pode ser reproduzida ou usada de qualquer forma ou por qualquer meio, eletrônico ou mecânico, inclusive fotocópias, gravações ou sistema de armazenamento em banco de dados, sem permissão por escrito, exceto nos casos de trechos curtos citados em resenhas críticas ou artigos de revistas.

ISBN nº 978-65-00-23711-5

o dinheiro é sujo

O dinheiro é sujo?

O dinheiro é sujo? Nesse artigo vamos refletir sobre quem é realmente o culpado por todas distorções no nosso planeta em relação a prosperidade.

Leia Mais »